sábado, 4 de fevereiro de 2012

Discernindo o tempo de Deus...



Estou convencido de que aquele que começou boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus (Filipenses 1.6)

A Bíblia fala claramente sobre essa habilidade, que é um dos frutos da educação no deserto. Em Issacar, uma das doze tribos de Israel, havia homens “conhecedores dos tempos, para saberem o que Israel devia fazer, e todos os seus parentes sob suas ordens” (1 Crônicas 12.32). O que a Bíblia quer nos ensinar que é fundamental para seguir o caminho certo e fazer a coisa certa saber discernir o tempo da sua própria época e cultura.

Para que não soframos antecipadamente cabe compreender que Deus segue o seu próprio cronograma, não o nosso.

Toda vez em que não nos submetemos ao tempo de Deus, cometeremos erros gravíssimos. Exemplo, Abraão e Sara. Na tentativa de ajudar a Deus no cumprimento da sua promessa, eles optaram pelo atalho. Durante os trezes anos que se seguiram após o acontecido Deus não falou com Abraão. O filho que Abraão teve um filho com Hagar criou uma situação de conflito que dura até hoje.

Somos fascinados pelos caminhos mais curtos, seja para a solução de um problema econômico ou de um conflito relacional. Trilhar o longo caminho da obediência, da dignidade, do trabalho, da honra, do respeito, da formação do caráter, acaba, em um ou outro momento, esbarrando na pressa e na sedução dos atalhos.

Deus precisa nos domar. Ninguém nasce com essa virtude. Ela aparece como obra do Espírito Santo. Por qual razão a Bíblia diz em Números 12.3: “Ora, Moisés era um homem muito paciente, mais do que qualquer outro que havia na terra? Ele ficou simplesmente oitenta anos debaixo de um tratamento de Deus.

Não podemos nos mover enquanto Deus não dizer prossiga. Concordo que não é fácil. Até Jesus Cristo submeteu-se ao tempo de Deus Pai – João 2.4: “Respondeu Jesus: Que temos nós em comum, mulher? A minha hora ainda não chegou”.

Uma característica marcante das pessoas que são treinadas espiritualmente no deserto é a sua disposição de somente se moverem no tempo de Deus, de somente responderem a voz de Deus.

Um adesivo no vidro traseiro de um carro continha a seguinte frase: “Paciência, Deus ainda não terminou sua obra em mim”. Isto nos faz pensar sobre o processo lento e paciente com que Deus lida com nossas limitações e ambigüidades.

Deus, pacientemente, nos salva, redime e transforma. É um processo lento. Envolve nossas resistências, defesas, medos e incertezas. Queremos crescer, amadurecer, mas temos medo de dar um passo em direção àquilo que não conhecemos, de nos entregarmos nas mãos de Deus sem saber exatamente o que pretende fazer de nós. Tememos renunciar àquilo que nos parece tão seguro e confortável - como os hebreus que, diante dos riscos do novo, desejaram voltar para o Egito. A escravidão é mais segura do que a liberdade. No entanto, Deus segue pacientemente nos conduzindo para a terra da promessa, nos levantando quando caímos, dando força quando nosso vigor acaba, nos corrigindo quando erramos e tratando de nossas feridas quando nos machucamos.

Mas nós somos impacientes. Não suportamos as falhas, cobramos eficiência, criticamos a incompetência e condenamos o erro. Precisamos da paciência de Deus e dos outros, mas somos intolerantes. Este descompasso entre a paciência divina e nossa impaciência nos torna pessoas desatenciosas para com aquilo que a graça de Deus está construindo na vida do próximo e na nossa. A vida não é constituída de saltos, mas de passos, na maioria das vezes vagarosos.

Paciência é uma virtude divina, um fruto do Espírito absolutamente indispensável na experiência espiritual pessoal e comunitária. É ela que nos possibilita caminhar sem sobressaltos, provar a graça de Deus sem o medo tão comum da rejeição e exclusão. Precisamos dela em nossas famílias e igrejas, principalmente num tempo em que a pressa, a impessoalidade e a cultura do descartável são tão intensas e desumanas. É por isso que Paulo, escrevendo aos filipenses, afirma: “Aquele que começou a boa obra em vós, há de completá-la até o dia de Cristo Jesus”. A ação de Deus sobre nossas vidas é pessoal e tem um percurso próprio. Cabe a nós, corpo de Cristo, acolher com paciência uns aos outros e deixar Deus completar a sua obra.

Paciência! Deus ainda não terminou sua obra em mim”. Talvez seria bom colocarmos um adesivo destes em cada um de nós. Seria bom que os pais fossem lembrados disto toda vez que a atitude e reação dos seus filhos não corresponderem àquilo que esperam deles. Que os cônjuges também reconhecessem isto toda vez que o marido ou esposa não correspondessem à expectativa . Que a igreja levasse isto bem a sério, toda vez que olhasse para o lado e visse no outro uma obra inacabada. Que considerasse esta realidade na vida dos seus líderes e pastores. Sejamos pacientes: Deus, com sua infinita misericórdia, continua trabalhando em nós.

2 comentários:

Ângelo dos Santos Monteiro, disse...

Graça e Paz, passei por aqui para fazer uma visita em seu "espaço virtual", e aproveitando a oportunidade, lhe convido a visitar o [Blog do Ângelo], um blog que gira em torno da seguinte temática: "Um olhar bíblico teológico sobre temas atuais e polêmicos". Visite e confira algumas das mais acessadas postagens: FILME PORNÔ GOSPEL: ACREDITE SE QUISER!, Anjo de luz que me conduz?, A segunda vinda de Cristo - Arrebatamento, Os dinossauros existiram?, Sexo antes do casamento?, Incoerências na cação "Sabor de Mel", Escatologia 15: A cidade que desce do céu, Halloween, uma festa feliz?, Escatologia 4: A grande tribulação (1ª Parte), Benny Hinn e Kenneth Haggin, Incoerências religiosas, e aínda você encontrará disponível outras inúmeras postagens organizadas em seções especiais, tais como: APOLOGIA, ATUALIDADES, CANÇÕES INCOERENTES, ESCATOLOGIA, HERMENÊUTICA, entre outras. Faça uma visita e confira: http://pbangelo.blogspot.com.

anareis disse...

Querida amiga. Estou fazendo uma Campanha de doações pra ajudar os jovens rapazes que estão internados no Centro de Recuperação de Dependentes Químicos onde meu filho está interno também.Lá tem jovens que chegam só com a roupa do corpo,abandonados pela família. Eles precisam de tudo:roupas masculinas,calçados,sabonetes,toalhas,pasta de dentes,escovas de dentes,de um freezer, Roupas de cama,alimentos. O centro de recuperação sobrevive de doações,são mais de 300 homens internos.Eles merecem uma chance. Quem puder me ajudar pode doar qualquer quantia no Banco do Brasil agência 1257-2 Conta 32882-0